CORONAVÍRUS: o que aprendemos?

em

O que é o coronavírus? Como se diferencia de uma gripe? Quem está mais exposto? Os cientistas estão tentando encontrar respostas para as perguntas mais prementes na luta contra a pandemia. Listamos algumas delas com as respostas para você:

 

Quem está mais exposto?

A mortalidade aumenta com a idade e o fato de sofrer uma doença crônica (insuficiência respiratória, cardiopatia, câncer, histórico de AVC, por exemplo) é um fator de risco.

De acordo com uma análise abrangente publicada em 24 de fevereiro, de quase 45.000 casos confirmados, a taxa média de mortalidade foi de 2,3%, sem mortes entre os menores de 10 anos. Até 39 anos, a taxa é muito baixa, 0,2%.

Aumenta para 0,4% entre os quadragenários, 1,3% entre 50-59 anos, 3,6% entre 60-69 anos e 8% entre 70-79 anos. Pessoas com mais de 80 anos são as mais expostas, com uma taxa de mortalidade de 14,8%.

De uma amostra de 2.003 mortos, 707 estavam na faixa etária de 70 a 79 anos, 852 entre 80 a 89 anos e 198 tinham mais de 90 anos, de acordo com uma declaração do ISS.

 

Quantas pessoas podem morrer?

Segundo o estudo de 24 de fevereiro, a doença é benigna em 80,9% dos casos, “grave” em 13,8% e crítica em 4,7%.

Do número total de casos confirmados no mundo, o Covid-19 matou cerca de 4% dos pacientes, com disparidades entre os países.  Por outro lado, dos 255.000 casos registrados no mundo, quase um terço já foi curado, segundo a Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

No entanto, a taxa de mortalidade não é confiável, pois o número de pessoas realmente infectadas é desconhecido. Como muitos pacientes quase não apresentam sintomas ou são assintomáticos, o número de infectados é provavelmente muito maior do que o detectado e, portanto, a taxa é certamente mais baixa.

Levando-se em conta uma estimativa que inclui casos não detectados, a taxa de mortalidade é de cerca de 1%.

O perigo de uma doença, contudo, depende não apenas de sua letalidade, mas também de sua capacidade de expansão. Mesmo com uma taxa de mortalidade de 1%, esse número pode ser consistente se 30 ou 60% da população estiver infectada.

O outro fator que pode agravar a mortalidade associada ao Covid-19 é a saturação dos hospitais devido ao grande fluxo de casos, como ocorreu na Itália. Isso complica a assistência aos pacientes da doença, e também àqueles que têm outras enfermidades.

 

Como se transmite? Quais são os sintomas?

O coronavírus é transmitido essencialmente pela via respiratória e pelo contato físico. O primeiro ocorre através de gotículas de saliva expelidas pelo paciente, por exemplo, ao tossir. É por isso que as autoridades de saúde recomendam manter uma distância interpessoal de pelo menos um metro.

Além disso, quando tocamos superfícies contaminadas, o risco é colocar as mãos no rosto e ser contaminado pela boca, nariz e olhos.

Um estudo publicado por uma revista americana mostra que o novo coronavírus é detectável por até dois ou três dias em superfícies de plástico e aço inoxidável e até 24 horas em papelão. No entanto, essas durações são teóricas, pois são registradas em condições experimentais.

Só porque um pequeno vírus sobrevive não significa que é suficiente infectar uma pessoa que toca uma superfície em questão. Em poucas horas, grande parte do vírus morre e provavelmente não é contagiosa,.

Os sintomas mais comuns “incluem problemas respiratórios, febre e tosse”, segundo a OMS. Cada um desses sintomas pode estar mais ou menos presente, dependendo do caso.

Nos casos mais graves, a infecção pode levar a pneumonia, uma síndrome respiratória aguda grave, insuficiência renal e até morte.

 

Quais são as diferenças com a gripe?

Apesar de compartilhar sintomas como febre e tosse, o coronavírus não é como uma gripe “comum”.

Em primeiro lugar, parece mais letal, já que a gripe tem uma mortalidade de 0,1% e esta doença é 10 vezes mais mortal. A OMS estima que a gripe mata anualmente entre 290.000 e 650.000 mortes em todo o mundo.

Além disso, os especialistas temem que formas graves de Covid-19 possam afetar uma parte maior da população do que a gripe.

O Covid-19 não é uma gripe comum, pode se manifestar seriamente em pessoas não tão idosas.

Além disso, diferentemente da gripe, não estamos protegidos contra o Covid-19. Não há vacinas, não há tratamento e o homem não é naturalmente imunizado contra esse novo vírus.

Os vírus da gripe e do Covid-19 têm em comum que sua propagação é combatida da mesma maneira em nível individual.

Isso se chama de medidas de barreira: evite apertar as mãos, beijar, lavar as mãos com frequência, tossir e espirrar na cavidade do cotovelo ou em um lenço descartável e, se possível, usando uma máscara quando estiver doente.


Curtiu nosso post? Quer ver mais matérias como esta? Então vai lá na nossa página do insta em @modapenseverde e nos deixe seu like!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s